anareis-jogandoconversafora

Conversando com voce. Palavras do Coração

domingo, 9 de dezembro de 2018

O que fazer
Para me esconder
Esconder de ti
Minha alma ferida
A verdade, a dor
O amor

Há! Esse amor imenso
Que queima, minhas entranhas
Se move , se locomove
Como se fosse
Uma estranha

E você com todo pavor
Todo medo resguardado
Medo do passado
Amargo de se ver

E criaste uma couraça
Dura e intransponível
Para te proteger do amor
Da entrega invisível

Um dia vou me vestir
Com uma roupagem mágica
Para conseguir rasgar
Esta armadura trágica

E poder atravessar
Todo esse medo de amar
E depois poder morar
No seu coração descansar.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

Quando o coração cansa
De tanto apanhar
Uma coisa se tornando repetitiva
De onde vem tantas decepções
Complicado acreditar nas pessoas
No ser humano em geral
Hipocrisia pura
Palavras sem verdades
Histórias sem sentido
Difícil acreditar
Fala-se em amor
Com facilidade, como se fala de dor
Humanidade endurecida
Sem amor, sem gentileza
E no final só resta
Juntar os caquinhos, e se der
Tentar colar cada pedacinho.
(Ana Reis )

sábado, 1 de dezembro de 2018

Amor perdido
Doído como um luto
Recolhe as lágrimas
De dentro de nós
Recolhe nossa alma
E pousa numa flor
Como uma abelha faminta
Ou uma esperança sem cor.
(Ana Reis )
Mulher negra
Judiada, mal amada
Toda dor
Violentada,pela vida
Pelo homem, tudo dor
Ela luta, sempre só
Tudo ela, ela só
Mulher negra
Na senzala , ainda hoje
Escravizada,espezinhada
Mulher negra , apontada
Pela rua, pelo beco
Humilhada,pela vida
Pela fome, pelo amor
Mulher negra
Corajosa, valorosa
Força bruta, sempre em pé
Mulher negra
Empurrada, arrastada
Mulher negra
Mãe -pai de família
Dá a vida, cria a vida
Mulher negra
Corajosa, valorosa
Não existe força igual
Mulher negra
Mulher mãe
Da sua cria, da vida
Mulher negra
Mulher flor
Mulher negra
Mulher cor
Só amor
(Ana Reis )

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Adoro manhãs de sol.
A quietude das manhãs de sol.
Os passarinhos felizes a cantar.
A Paz interior de mais um dia acordar.
Uma das coisas mais lindas.
São as manhãs com o sol a raiar.
E tantos passarinhos cantando.
Desejo muitas manhãs de sol.
Na minha janela de cortina de renda.
Toda a transparência da renda.
Para que eu veja minhas lindas.
Manhãs de sol.
(Ana Reis )

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Dizem que o amor
Quando morre, não renasce
Mas o meu renasceu

Dizem que quando
Vai embora, não volta
Mas o meu voltou

Dizem que o coração partido
Despedaça -se e não c icatriza
Mas o meu cicatrizou

Digam  o que disserem
Mas do amor, não há dizer
O amor nasce e renasce
Até morrer.
( Ana Reis)
Há, esse amor
Tão precioso
Um diamante bruto
Que tento lapidar
Para viver e amar

Um dia estava perdido
Sem esperança, só dor
Mas não se mata
Um verdadeiro amor

Só o Eterno tem o poder
De desfazer essa flor
Que perfuma nossas vidas
E nos enche de frescor.
(Ana Reis)
Seu amor
Aquece meu coração
Como uma prece
E como uma brisa
Soprando no verão
Es delicado e gentil
Sem perceber acaricia
Com sua gentileza e magia
Minha alma sedenta
De amor e paixão
Nossas Almas combinam
Como uma flor perfumada
De tesouros ocultos
Feitos de fidelidade
Sem paixão não há amor
Sem cumplicidade
Não há união
Por isso continuo
Declarando com verdade
Nossas Almas são iguais
Nosso amor é de verdade.
( Ana  Reis)

quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Ser mulher no andar
Ser mulher no falar
Seu caráter, sua força
Generosa,amorosa
Muito grande seu amor
E maior sua dor
Dez em uma, tanta gente
A ocupar sua mente
Ser mulher, complicado
Muito peso na bagagem
Sempre altiva,com coragem
Todo dia, nova luta
Uma força absurda
Ser mulher, ser divino
A quem Deus contemplou
Trazendo vida ao mundo
Amamentando seu menino
Ser mulher, ser profundo
Amor maior do mundo.
(Ana Reis )
Quando o coração cansa
De tanto apanhar
Uma coisa se tornando repetitiva
De onde vem tantas decepções
Complicado acreditar nas pessoas
No ser humano em geral
Hipocrisia pura
Palavras sem verdades
Histórias sem sentido
Difícil acreditar
Fala-se em amor
Com facilidade, como se fala de dor
Humanidade endurecida
Sem amor, sem gentileza
E no final só resta
Juntar os caquinhos, e se der
Tentar colar cada pedacinho.
(Ana Reis )